Nesta quinta-feira (22), o ministro substituto da Transparência, Wagner Rosário, participou da abertura da Conferência Global da Alliance for Integrity, na cidade de Frankfurt, na Alemanha. Em discurso, o dirigente da CGU ressaltou os avanços do país para melhoria de integridade, tanto no âmbito governamental como no setor privado, com destaque para os resultados do uso da tecnologia da informação nas ações de controle.

O ministro iniciou discurso com o contexto atual do Brasil para ressaltar a importância da parceria com a Alliance for Integrity. Para Wagner Rosário, o país vive hoje uma contradição, pois ao mesmo tempo que chama atenção do mundo com casos de corrupção, demonstra que o problema está sendo combatido, num processo de fortalecimento das instituições. “Mais transparência e o melhor funcionamento dos órgãos de controle e defesa do Estado podem levar temporariamente a uma percepção de que a corrupção aumentou, mas também podem ser um sinal de que o país está combatendo e tornando a impunidade cada vez mais a exceção”, pontuou.

Outro ponto de destaque foram as ações anticorrupção desenvolvidas com base na inovação. De acordo com o ministro, a CGU tem investido em diversas ferramentas que, por meio do uso intensivo de técnicas e soluções de computação - como Big Data, redes neurais, dashboards e modelos preditivos - possibilitam a detecção de diferentes tipos de fraudes, por meio de padrões de comportamento. Rosário citou exemplos como o sistema Alice, responsável pela varredura de editais de licitação e o Mapa de Risco de Fornecedores, que classifica empresas contratadas em grau de similaridade com outras que já sofreram punições do Governo Federal.

Além disso, foram citadas as auditorias de monitoramento nos benefícios sociais e na folha de pagamento do Governo Federal, que por meio de cruzamento de bases de dados identificam inconsistências e geram economia aos cofres públicos. “Está bastante claro que o fenômeno da corrupção, em virtude de sua complexidade e elevado potencial danoso à sociedade, exige, além de ações repressivas, o estímulo à prevenção, que é tão importante quanto investigar e punir. Essa é uma das prioridades da CGU”, afirmou.

Parceria

A conferência cujo tema central é “Integridade na Era Digital”, reúne lideranças internacionais da área de compliance. O objetivo é apoiar a implementação da integridade dos negócios nos setores público e privado, fornecendo uma plataforma para troca global de conhecimento e boas práticas. Um dos destaques da programação é o lançamento global do ‘TheIntegrityApp’, ferramenta de autoavaliação de compliance para empresas. CGU e Alliance estudam uma parceria para uso do aplicativo em âmbito governamental.

Iniciativa global

Alliance for Integrity é uma iniciativa global de múltiplas partes interessadas, promovida pelo setor empresarial, que busca incentivar transparência e integridade no sistema econômico. A Alliance, criada há três anos, é implementada pela Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ), agência de cooperação técnica alemã.

No Brasil, o conselho consultivo compartilhado com a Transparência Internacional (TI) foi estabelecido em maio de 2016 e é composto por representantes do setor privado (Allianz Seguros, Banco do Brasil, LATAM Airlines Group, Mercedes-Benz, Siemens Brasil), do setor público (CADE e CGU) e sociedade civil (Rede Brasil do Pacto Global e Instituto Ethos).

Fonte: http://www.cgu.gov.br/noticias/2018/02/ministro-destaca-uso-da-tecnologia-para-prevencao-e-combate-a-corrupcao