Publicado em: 11/07/2017.

Objetivo é disseminar Lei Anticorrupção e políticas de integridade para pequenos negócios

O Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU), em parceria com o Sebrae, participou, no dia 5 de julho, da reunião inaugural da Rede Nacional Empresa Íntegra. Na oportunidade, representantes dos órgãos, em Brasília (DF) e respectivas unidades regionais, definiram ações conjuntas, para o segundo semestre, com o objetivo de disseminar a Lei Anticorrupção (nº 12.846/2013) e políticas de integridade para os pequenos negócios.

A reunião, realizada por videoconferência, contou com a presença dos auditores Edward Borba e Guilherme Guedes, da Coordenação-Geral de Integridade do Ministério da Transparência; de Gilberto Socoloski, gestor nacional do Programa Empresa Íntegra; e das equipes dos Núcleos de Ações de Ouvidoria e Prevenção da Corrupção (NAOP) da CGU e das Unidades do Sebrae em 10 estados (AC, MA, MG, MT, PA, PB, PI, PR, RJ, RR e RS) e no Distrito Federal.

A criação da Rede busca permitir a integração, troca de conhecimento e criação de estratégias para impactar o maior número de micro e pequenas empresas. A meta é, a partir de palestras e workshops, sensibilizar empresários em todo país quanto à importância de investir em políticas de prevenção e de combate à corrupção, tanto no ambiente corporativo interno, quanto na relação com clientes e colaboradores.

Entre as ações, está prevista maior divulgação do portal Programa Empresa Íntegra. O site traz informações sobre a aplicação da Lei Anticorrupção (nº 12.846/2013); dicas e boas práticas para manter o empreendimento idôneo; e orientações de como trabalhar com segurança e sem riscos de violar leis ou direitos dos consumidores.

Pró-Ética

A CGU e o Sebrae trabalham juntos há muitos anos. A entidade faz parte do Comitê Gestor do Empresa Pró-Ética desde o lançamento do programa, em 2010. A iniciativa, desenvolvida pelo Ministério da Transparência, reconhece os esforços das empresas que, independentemente do porte e ramo de atuação, investem em boas medidas de compliance.

Como resultado dessa aproximação, observa-se, a cada edição do Pró-Ética, o crescimento do número de pequenas empresas interessadas em obter o selo de integridade da CGU. Neste ano, 133 enviaram o questionário de adesão devidamente preenchido; 37 cumpriram os requisitos de admissibilidade; e 25 estão aptas para avaliação. O resultado será divulgado em novembro.

Na edição de 2016, pela primeira vez, uma empresa de pequeno porte foi aprovada: a Tecnew Informática, de Brasília (DF).

Fonte: http://www.cgu.gov.br/noticias/2017/07/ministerio-da-transparencia-e-sebrae-lancam-rede-nacional-empresa-integra