Publicado em: 04/12/2017.

No acumulado até o 3º trimestre de 2017, Grupo Petrobrás lidera crescimento

As empresas estatais federais continuam apresentando aumentos significativos no resultado líquido consolidado que evoluiu de um prejuízo de R$ 32,0 bilhões em 2015 para um lucro de R$ 4,6 bilhões em 2016, representando uma variação positiva de R$ 36,6 bilhões.

Este é um dos principais dados do 4º Boletim das Empresas Estatais Federais divulgado hoje (4) pelo Secretário de Coordenação e Governança das Empresas Estatais, Fernando Ribeiro Soares. “Seguindo a linha da SEST de trazer transparência para os dados, a ideia é mostrar a evolução da recuperação das nossas empresas estatais”, afirmou o Secretário.

Em comparação com o acumulado até o 3º trimestre de 2016, o presente ano alcançou, até o 3º trimestre, resultado líquido de R$ 23,2 bilhões ante R$ 8,7 bilhões do ano anterior, uma variação positiva de 167,2%. O maior crescimento verificado foi do Grupo Petrobras que saiu de um prejuízo de R$ 15,8 bilhões nos primeiros nove meses de 2016 para lucro de R$ 5,7 bilhões no mesmo período de 2017.

Redução de empregados

Outro destaque importante desta edição do boletim são os números referentes à redução do quadro de pessoal das estatais. Em setembro de 2017, as empresas estatais contaram com um quadro de pessoal de 506.852 empregados. Ao longo do ano, houve uma redução expressiva de mais de 26 mil empregados com destaques para: Caixa Econômica Federal (7.199 empregados); Correios (7.129 empregados); Petrobras (4.019 empregados) e Banco do Brasil (2.676 empregados).

De acordo com o secretário da SEST, 2017 deverá se encerrar com menos de 500 mil empregados nas estatais. “Enxugar quadros faz parte do esforço que estamos realizando no sentido de recuperar e aumentar a sustentabilidade das empresas, reduzir custos e aproximá-las cada vez mais dos valores de mercado”, observou Fernando Soares. Ele informou que, na comparação do quantitativo total de empregados de 2015 (550.208) com o total em setembro deste ano, houve uma redução de 7,9% do quadro total de pessoal das estatais, totalizando uma queda superior a 43 mil empregados.

Redução das empresas

O número de empresas estatais caiu de 154 em 2016 para 149 em 2017. Para Fernando Soares, o ajustamento do tamanho do Estado acaba por ser necessário, considerando o atual cenário fiscal e isso se reflete na redução das empresas estatais. “As empresas estatais passam por uma reavaliação contínua, sempre na visão de gerar mais resultados para a sociedade”, observou.

Fonte: http://www.planejamento.gov.br/noticias/4o-boletim-aponta-cenario-de-recuperacao-das-empresas-estatais